• Revista Vega

Inteligência artificial escolhe o melhor calçado para você.


Computador associado a scanner 3D analisa os pés e a dinâmica da marcha do interessado.

Não é de hoje que a inteligência artificial vem ganhando espaço na fabricação de produtos e na oferta de serviços variados. Agora, a novidade é que essa tecnologia está sendo aplicada pela indústria no design personalizado de calçados, juntamente com o aprendizado de máquina e a digitalização 3D. O objetivo é ofertar produtos sob medida de forma mais rápida, barata e acessível.

A ideia é muito simples: o cliente vai até uma loja de sua preferência e é auxiliado por um software na hora de escolher o melhor tipo de calçado, com base em algumas informações.

Chamado de “FitStation”, o equipamento, fabricado pela HP, associa o computador a um scanner 3D e a uma esteira com sensores. O cliente pisa no centro do scanner, que faz a leitura dos pés dele. Em seguida, é necessário caminhar sobre uma esteira até que se consigam seis passadas consideradas ideais.

Acessando as informações obtidas, a inteligência artificial faz uma análise dos pés e da dinâmica da marcha do cliente – incluindo padrão de pressão ao pisar, rotação do calcanhar, índice de propulsão e variação dinâmica do joelho.

O sistema identifica um “caminho de movimento único” e constrói um “perfil cinético pessoal” exclusivo. Esses resultados permitem que o software sugira ao cliente os calçados que melhor atendem as suas necessidades, considerando as características avaliadas. Por enquanto, apenas lojas nos EUA dispõem do Fitstation.

Na mesma onda tecnológica está a empresa Wiivv, que fabrica sandálias personalizadas e palmilhas sob medida. Os consumidores baixam o aplicativo, tiram fotos de seus pés, e a plataforma baseada na nuvem as envia para mais de 200 bancos de dados, usando um método que eles chamam de “D dois e meio” para garantir o ajuste perfeito. A empresa americana entrega os produtos para vários países via correio, incluindo o Brasil. Cada par sai por US$ 99 (R$ 387,06).

Para o futuro, a Wiivv planeja imprimir sensores 3D nas próprias palmilhas e sandálias, a fim de recolher dados de movimento e alimentar o sistema em tempo real, enviando novos pares para os clientes, corrigindo quaisquer problemas.

De acordo com os desenvolvedores desse tipo de tecnologia, calçados inadequados são um problema em todos os mercados de consumo e profissionais. “Descobrimos que muitas pessoas têm vaidade em relação ao tamanho do calçado e não percebem que precisam de um modelo mais justo, por exemplo. É aí que as lesões acontecem”, afirmou Sarah Clevinger, representante da HP, ao site PCMag.


2 visualizações

© 2020 Revista Vega